Pandemia corta trabalho de 61% dos profissionais de eventos!

Quase dois terços dos trabalhadores da área precisaram executar outra atividade ou dependeram do auxílio emergencial para ter alguma renda
Aplataforma Vai Rolar Evento (VRE) realizou no último mês de outubro a sua primeira pesquisa nacional, com ajuda da ferramenta On the Go Chatbots. O estudo ouviu 450 entrevistados entre 25 e 59 anos e reflete a situação e as expectativas atuais dos
profissionais do segmento de eventos no Brasil.
Entre os apontamentos mais importantes, a pesquisa mostra que 84% dos profissionais de eventos trabalharam pela última vez, de forma presencial, antes do início da pandemia no País, em março de 2020. Logo, apenas 16% trabalharam presencialmente após o lockdown. Mais impactante ainda, outro dado aponta que 61% não fizeram nenhum trabalho remunerado durante toda a pandemia. Isso significa que quase dois terços dos trabalhadores da área dependeram do auxílio do Governo Federal para ter alguma renda.


O estudo também mostra que um terço das empresas de eventos estão com as portas fechadas, seja temporariamente (28%) ou definitivamente (4%), e que 68% continuam operando de forma reduzida, enquanto apenas 4% voltaram a funcionar como antes da pandemia.

Segundo Henrique Donnabella, idealizador da plataforma Vai Rolar Evento, ainda não houve uma “quebradeira” e as empresas permanecem vivas, porém, com os seus quadros de funcionários bastante reduzidos. “Temos que olhar para a crise e para as oportunidades. Tivemos o boom das lives, dos drive-ins, mas a preocupação é com o pequeno, porque, de certa forma, o grande artista possui patrocínios, recebe dinheiro com direitos autorais, faz lives e consegue levantar recursos”, explica.
Fruto da inatividade do segmento, quase metade dos profissionais do setor tem buscado recolocação em outras áreas (46%). Por outro lado, 47% desses trabalhadores estão esperançosos que os eventos voltem a acontecer já no primeiro semestre de 2021. Após a pandemia, parte do mercado acredita que o número de eventos será superior, inclusive ao de espaços existentes, e que exigirá pessoas capacitadas e disponíveis nas grandes cidades.
De acordo com a pesquisa, cerca de 40% dos profissionais acreditam que os eventos devem aumentar, 36% pensam que devem diminuir e, por outro lado, 25% supõem que vão permanecer da mesma forma que era antes da pandemia.
Fonte: Meio e Mensagem
Texto:Renato Rogenski